Tratamento para Queda de Cabelo: Técnicas e cuidados

Um assunto muito comum em nosso dia a dia: a queda de cabelo, tem se tornado cada dia mais comum entre pessoas acima de 30 anos e até na adolescência. Normalmente perdemos cerca de 50 a 100 fios de cabelo por dia, pois eles possuem um ciclo de crescimento e desenvolvimento,como se fosse um ciclo de vida.
À medida que o tempo passa e vamos envelhecendo, nossos fios de cabelo vão ficando mais finos e em menor volume, mas uma grande perda de cabelo pode ser sinal de algum problema de saúde mais grave. Para nos orientar a respeito do assunto conversamos com o Dermatologista Dr. Tiago Silveira especialista titular pela Sociedade Brasileira de Dermatologia e pelo MEC há mais 10 anos de experiência. Falaremos um pouco mais sobre as doenças mais comuns que podem causar queda de cabelos tanto em homens quanto em mulheres:
Estresse
Além de consequências emocionais, o estresse também pode causar danos em nosso corpo e pode influenciar no ciclo de vida dos fios de cabelo, promovendo sua queda. E não importa o quanto a pessoa cuide das madeixas, se o problema emocional não for tratado, os fios vão continuar caindo. Em alguns casos o estresse pode ser o fator causador da queda, em outros, ele pode piorar uma condição existente. As principais causas de queda de cabelo que o estresse pode favorecer são o eflúvio telógeno, a alopecia areata e a tricotilomania.

Doenças no couro cabeludo
As doenças no couro cabeludo são uma das principais causas da queda de cabelo em homens e mulheres. As doenças mais comuns que ocorrem no couro cabeludo são:
1. Psoríase: é uma doença crônica de causas hereditárias e está ligada a imunidade;
2. Foliculite: é uma inflamação nos folículos capilares e pode ser causada por fungos,
bactérias ou vírus;
3. Dermatite seborréica ou caspa: está ligada à uma disfunção das glândulas sebáceas;
4. Pitiríase: é uma micose causada por fungos e se manifesta devido a uma mudança no PH
da região capilar;
5. Alopecia: possui diversas causas como doenças autoimunes, dermatites, fatores genéticos
entre outros.
“Somente um médico especializado é capaz de identificar o tipo de doença e orientar o tratamento mais eficaz”. Acrescente o Dr. Tiago Silveira.
Silveira.