Saiba mais sobre o que é Homeopatia, como ela age e seus benefícios

Brasil

Written by:

Eliete MM Fagundes, pós-doutoranda em Psicologia Social e e coordenadora dos cursos de Homeopatia do Instituto Hahnemann /Homeobrás, fala sobre esse método de tratamento

Mesmo com uma procura crescente por terapias alternativas ou terapias integrativas, inclusive com acesso gratuito por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), as dúvidas a respeito desse tema ainda são constantes.

Conversamos com a Eliete M. M. Fagundes, coordenadora do curso tradicional de Formação em Ciência da Homeopatia do Instituto Tecnológico Hahnemann/ Homeobrás, para sabermos mais sobre a Homeopatia.

Confira!

Qual tipo de pessoa busca tratamento ou prevenção na homeopatia?

Eliete – Geralmente, pessoas que já “tentaram de tudo” e nada surtiu o efeito esperado costumam recorrer à homeopatia.

Eliete M M Fagundes

As que buscam prevenção ou se tratam com homeopatia, em primeiro lugar, já se conscientizaram que é necessário tratar a causa do adoecimento e não apenas sanar, rapidamente, os sintomas, que são manifestações da doença.

De todo modo, nessas duas situações as pessoas estão muito conscientes do processo de adoecimento.

Seja porque a experiência já mostrou que é necessário cuidar da causa dos desequilíbrios ou porque, intuitivamente, tomou consciência desse fato e não precisou chegar ao ponto de adoecer cronicamente para decidir por um tratamento natural.

E qual o estereótipo da pessoa que busca formação nessa área? É um público mais jovem ou mais velho? E de quais áreas de atuação? Mais homens ou mulheres?

Eliete – Muito variável. Têm jovens e pessoas mais velhas. A maioria mulher.

Têm muitos psicólogos, farmacêuticos, veterinários, enfermeiros e também muitas pessoas que não são da área da saúde, como engenheiros, advogados, jornalistas etc.

Há donas de casa e até freiras!

Para resumir, o que é a homeopatia?

Eliete – Homeos, em grego, quer dizer semelhante, e Páthos quer dizer doença.

É a cura da doença pelo semelhante. Similia similibus curantur, o semelhante se cura pelo semelhante.

Esse é o princípio básico de funcionamento dessa ciência. Essa lei do semelhante é universal e se manifesta na natureza em todas as áreas do conhecimento.

É por isso que a homeopatia não é exclusividade da medicina. É, antes de tudo, um modus operandi natural, físico, que pode ser aplicado, sobretudo, em forma medicinal.

Os remédios homeopáticos são diluídos e dinamizados, ou seja, a maior parte dos medicamentos não possui a parte material da matéria-prima utilizada em sua produção (animal, vegetal, mineral etc.).

Quanto maior a dinamização, o que resta da matéria-prima é somente a memória da vibração eletromagnética, com comprovação da física quântica e não pela lógica convencional epistemológica cartesiana.

Com base nas peculiaridades dessas vibrações, cada pessoa receberá um remédio que ressoa com sua própria vibração.

Sendo assim, a vibração do remédio é semelhante à da pessoa.

É por isso que  os tratamentos não são iguais para ninguém.

Aparentemente, a mesma doença em pessoas diferentes será vista e tratada de maneira diferenciada.

Fisicamente, emocionalmente e mentalmente os sintomas que a pessoa manifesta deverão ser tratados com remédios que manifestam esses mesmos sintomas.

O que ele proporciona ou tem de benefício que o tratamento alopático não tem?

Eliete – A homeopatia trata basicamente a causa do adoecimento e a alopatia prioriza os sintomas. Como?

Exemplo: se em uma crise alérgica respiratória for usado corticoide, os sintomas aparentemente somem. Como a causa da doença não foi tratada, após semanas, meses ou anos, dependendo da pessoa, novamente poderá apresentar os mesmos sintomas e, de novo, fazer uso das mesmas substâncias.

Para Hipócrates (460 aC-370 aC) e o sistema homeopático os sintomas são nada mais ou nada menos do que o próprio corpo querendo expurgar a doença.

O problema é sanado de dentro para fora, além de tratar a predisposição hereditária, o que impediria que tais sintomas se tornassem recorrentes na pessoa.

Quais as principais doenças que ela trata ou previne, mas muitas pessoas não sabem?

Eliete – Segundo Hahnemann, percursor da Homeopatia, em “doenças crônicas” o tratamento homeopático pode abranger qualquer desequilíbrio orgânico.

O que as pessoas geralmente não sabem é que trata muito bem as sequelas deixadas pela Hepatite, pela Dengue hemorrágica, Febre tifo, Febre amarela, Zika, entre outros.

Pode-se evitar ser contaminado por todas essas doenças epidêmicas com o uso de homeopatias. No momento agudo de contaminação, a homeopatia também é de grande serventia, não deixando o quadro evoluir para uma complicação mais grave.

Ela pode agir sozinha, sem a união com o remédio tradicional, em quais situações?

Eliete – Sim, de acordo com Hahnemann, também baseado em seu livro “Organon da Arte de Curar”, a homeopatia pode agir sozinha, pois é um sistema com princípios diferenciados.

Hahnemann sempre recomendava às pessoas somente o uso da homeopatia em qualquer situação.

Hoje, se alguém procurar a homeopatia fazendo uso da alopatia, necessariamente ficará usando os dois sistemas.

Têm pessoas que se tratam só com acupuntura, outras apenas com reike, antroposofia etc.

E em quais doenças ela precisa ser aliada ao tratamento convencional?

Eliete – Em qualquer desarmonia a escolha do doente deve ser respeitada e o acompanhamento pelo especialista deve continuar.

O terapeuta homeopata prescreve homeopatias independentemente da pessoa com câncer estar fazendo quimioterapia ou radioterapia. A Homeopatia será grande aliada para que nesse processo as boas células não sejam eliminadas, para que os efeitos colaterais sejam minimizados, a dor minimizada etc…mas há aquelas pessoas que preferem o tratamento natural mesmo numa situação de câncer.

Podemos afirmar que a homeopatia é mais preventiva do que para tratar?

Eliete – Bom, não precisa ou não é obrigatório estar associada ao “remédio tradicional”.

Exemplo simples: homeopatia resolve enxaquecas, rinites, sinusites, miomas, condilomas etc., desde que esteja correta a escolha do remédio para o paciente.

Se o remédio daquele momento é o correto, não há necessidades de outros, nem homeopáticos, tampouco alopáticos.

Quais foram os avanços da homeopatia nos últimos tempos, que podem ser citados como as grandes conquistas da área?

Eliete – O avanço está relacionado às políticas públicas. A homeopatia está garantida no SUS (Sistema Único de Saúde) por meio da Portaria 971, do Ministério da Saúde.

Mas ainda precisa avançar muito mais. Precisa mais investimentos em pesquisas, maior número de homeopatas – médicos ou não, e a capacitação das equipes técnicas, além de maior esclarecimento para a população em geral.

Serviço:

Instituto Tecnológico Hahnemann/ Homeobrás – www.homeopatias.com

Obs.: Há cursos abertos em várias cidades do Brasil. Saiba mais via o site do instituto.

 

(Via Assessoria de Imprensa/ Rio Press Assessoria/ Priscilla Silvestre)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.